quinta-feira, 1 de agosto de 2019

O inesperado

Singro ares inusitados
Sem o estoico preceito.
Creio na virgem asa,
Sobre as naturais falésias.

Dispenso a gramática,
E os principados da aritmética,
Tenho na inocência,
Meu telescópio mais afinado.

Com os dedos do espanto
Prefiro do inusitado reunir
Minha originária essência volátil,
E esculpir a alma da matéria.

Pobres na cadência geral
Nu de digitais de outros.
Com umas lentes loucas
Para me achar na paisagem.

Ives Vietro

7 comentários:

  1. Sob nossas próprias lentes enxergamos a verdadeira paisagem - a que nos compõe.
    Belos versos, Ives.

    ResponderExcluir
  2. O importante é você se achar. Quantos estão perdidos em outras mãos?!

    Beijinhos.

    Proseando num dia

    ResponderExcluir
  3. Ser original é um desafio diário...
    Bonito poema! Traz uma reflexão para os nossos dias...
    Um abraço

    ResponderExcluir
  4. Se usar os dedos do espanto há-de achar-se sempre na paisagem…
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  5. Versos belos que nos põe a pensar, pelas lentes da inocência poderemos ver o verdadeiro eu, límpido, belo, oculto, abraços e Feliz dia dos pais.

    ResponderExcluir
  6. Saudades Ives,

    Como sempre suas poesias cultas são lindas e tem sentimento.
    "Apenas uma saudade"
    "Lua Singular

    ResponderExcluir