terça-feira, 9 de maio de 2017

Livre

Que nada impeça
que eu pincele
uma simples borboleta
no avesso do caderno escolar.

Que nada impeça de
apenas voar, flutuar, quem sabe?
costurar simplesmente a roupa velha
chamar de grande o que foi feito por amor
que nada me faça esquecer
o pacto jurado nos traços alados talhados no tronco queimado...

A borboleta voou, olhe bem.
Salta abismos que inventaram
o grilo falante bordado
na lembrança dos meninos

ives vietro

9 comentários:

  1. Tão bom poder fazer o que queremos na hora e vez. Adorei te ler! abração,chica

    ResponderExcluir
  2. Simplesmente lindo!!

    bjokas =)

    ResponderExcluir
  3. Nada impede que o poeta faça belos poemas
    como esse que acabo de ler.
    Parabéns Ives
    Bjs-Carmen Lúcia.

    ResponderExcluir
  4. É muito bom, ao menos, abusar da liberdade de sonhar.

    Beijos! ;)
    Blog: *** Caos ***

    ResponderExcluir
  5. Como é sagrado nosso pensamento! É o único lugar em que nada, ou ninguém invade! Podemos sonhar, sem impedimento algum! Filosofei com seu intenso poema, Ives!
    Abraço.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Ives!

    Que beleza de versos!...
    As palavras saem de casulos e alcançam voos raros!...

    Boa viagem, aqui!

    Beijos! =)

    ResponderExcluir
  7. Lindo, sempre bem inspirado com belos versos!
    Sentir, perceber, ver, sonhar e escrever!
    Eis o que senti, percebi, vi e sonhando estou por aqui!
    Abraços amigo poeta Ives!

    ResponderExcluir
  8. Oi Ives
    Tua aguçada sensibilidade alçando voos num perfeito bordado poético lindo e envolvente
    Beijos no coração

    ResponderExcluir
  9. Muito belo e bem (d)escrito este sentimento de liberdade.
    BJinho, Ives

    ResponderExcluir