segunda-feira, 30 de abril de 2018

Fonte eterna

Sentada à falésia
infinita mente se aprofundava;
No arrebol o zéfiro chamava
Lindos olhos ante a maresia.

Intuições, instintos, e pensamentos
a lua sempre habita esses momentos;
Delicada mulher dos meus sonhos
Dos anjos são as luzes do que somos.

Ao meu lado a nívea rosa chorava.
À magia também sorria e recortava
quadros de reminiscências desdobrados
Vates que aos sentidos são lançados.

Fremia mas abraçava o firmamento
Meus laços, em seus braços são o alento.
Antes, hoje e na vereda dos velhos ventos
choramos sorrisos dos novos tempos.

ives vietro

5 comentários:

  1. Num cenário assim como o descrito, a mente voooooooooa! LINDA poesia! abração ,ótima semana! chica

    ResponderExcluir
  2. Realmente, diante de uma poesia dessa, descrevendo belo e encantador cenário, a gente voa, se emociona e se encanta com seu poetar.
    Beijos carinhosos!

    ResponderExcluir
  3. Voando com as palavras e com o vento...
    Uma boa semana.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  4. Belos versos, que nos faz voar e nos encantar!
    Tenha uma ótima semana.

    ResponderExcluir
  5. Olá Ives!

    Momentos inesquecíveis perpetuados num poema. E que poema.
    : )

    Um beijo, querido!

    ResponderExcluir